Artigo: 'Rússia busca ganhos estratégicos antes de negociar'

Artigo: 'Rússia busca ganhos estratégicos antes de negociar'

Artigo: ‘Rússia se apressa para obter ganhos estratégicos antes de retomar negociações’, escreve Henry Galsky

Diante da dificuldade no confronto, os russos buscam o que tenho chamado de “saída honrosa”
Rússia, agora, age para causar o maior dano possível à Ucrânia e foca em metas fundamentais / Foto: Ignat Kushanrev/Unsplash
Rússia, agora, age para causar o maior dano possível à Ucrânia e foca em metas fundamentais / Foto: Ignat Kushanrev/Unsplash
*Por Henry Galsky, de Israel

Depois de mais de 50 dias de guerra, a operação russa na Ucrânia não está próxima de atingir seus objetivos iniciais –de acordo com o que foi possível compreender do próprio posicionamento e das declarações de Moscou: o que se suponha como ofensiva rápida, ágil e relativamente fácil tem mostrado resultados exatamente opostos.

Se inicialmente havia, inclusive, a expectativa de troca de regime na Ucrânia, agora as pretensões russas parecem mais focadas, limitando-se a causar a maior quantidade de dano possível à infraestrutura ucraniana e tendo como princípio algumas metas fundamentais:

  • o reconhecimento da anexação da Crimeia ocorrido em 2014;
  • o compromisso quanto à neutralidade da Ucrânia em relação à Otan (a aliança militar ocidental liderada pelos EUA);
  • o impedimento da expansão da própria Otan; e
  • a retenção do controle de parte do Donbas, região no sudeste do território ucraniano em parte já controlada pelos separatistas pró-Rússia.

Os russos tomaram a decisão quanto ao início da guerra. Mas não têm como controlar seus desdobramentos. Um deles é o fortalecimento do presidente Volodymyr Zelenskiy na comunidade internacional. Os números de civis mortos e a possibilidade, inclusive, de investigação internacional quanto ao uso de armamento químico pelas forças russas isolam ainda mais o país e seu presidente, Vladimir Putin.

Além disso, países oficialmente “não-alinhados”, casos de Finlândia e Suécia, interpretam a guerra na Ucrânia como um alerta quanto à própria vulnerabilidade, aproximando-as justamente da Otan –ou seja, causando efeito reverso ao imaginado pelo governo russo.

Diante da dificuldade do confronto, a Rússia busca agora o que tenho escrito nos textos aqui do site, a chamada “saída honrosa” –se o termo pode ser usado numa guerra, importante dizer. A ofensiva na região de Donbas é o sinal de que esta análise tende a ser correta. Colada à fronteira russa, os custos e complexidades logísticas envolvidos nesta nova etapa da guerra são mais reduzidos, sob o ponto de vista de Moscou.

Essa lógica explicaria também as razões pelas quais os russos praticamente destruíram a pequena cidade de Mariupol, causando inclusive um grande rastro de morte pelo caminho e a possibilidade –ainda a ser investigada, importante dizer– de terem feito uso de armamento químico. O controle de Mariupol permitiria aos militares russos conectar justamente as cidades de Dontetsk e Luhansk –já reconhecidas como independentes pelo governo de Putin– à Crimeia anexada. Veja no mapa abaixo:

Mapa da Ucrânia mostra ao leste Donetsk e Luhansk, duas regiões consideradas independentes por Vladimir Putin / Foto: Reprodução/Google Maps
Mapa mostra a cidade portuária destruída de Mariupol, ao sul, e logo acima Dontesk e Luhansk / Reprodução/Google

“Quando os russos sentirem que concluíram com sucesso essa batalha, eles terão completado uma ponte terrestre da Rússia à Crimeia, (considerando-a) como grande sucesso estratégico”, disse à rede BBC o General Sir Richard Barrons –ex-comandante do Comando das Forças Conjuntas do Reino Unido.

No meu texto anterior sobre a guerra na Ucrânia escrevi sobre a sagacidade da equipe do presidente Zelenskiy durante as negociações com os russos. A ideia era ceder às demandas de Putin quanto à neutralidade do país em relação à Otan, mas, em paralelo, propondo um mecanismo que praticamente inviabilizaria novas invasões ao território ucraniano. Os russos entenderam a mensagem. E, ao que parece, buscam construir fatos no campo de batalha para, aí sim, fechar algum tipo de acordo nas mesas de negociação.

Leia os outros textos de Henry Galsky no Correio Sabiá:

Assobio: o conteúdo deste artigo não reflete, necessariamente, a opinião do Correio Sabiá, que apenas abriu este espaço para o debate de ideias. Portanto, todo o material textual e visual, bem como as informações e juízos de valor aqui contidos, são de inteira responsabilidade do(s) autor(es). Para propor um artigo ao Sabiá, entre em contato: redacao@correiosabia.com.br

leia mais