Resumo de notícias #754 do Sabiá (6.abr)

Resumo de notícias #754 do Sabiá (6.abr)

Resumo de notícias #754 do Sabiá (6.abr) – Comece o dia voando

Zelenskiy questiona disposição da ONU em intervir na guerra; Governo vê “lambança” na Petrobras
Volodymyr Zelenskiy questiona atuação da ONU na guerra contra a Rússia / Fonte: Reprodução / Twitter Volodymyr Zelenskiy
Volodymyr Zelenskiy questiona atuação da ONU na guerra contra a Rússia / Fonte: Reprodução / Twitter Volodymyr Zelenskiy

Neste resumo você encontrará alguns desses tópicos:

  • Zelenskiy questiona disposição da ONU em combater guerra na Ucrânia e diz que, após massacre em Bucha, o mundo pode ver o que a Rússia fez em seu país; russos atribuem mortes a neonazistas ucranianos;
  • Governo vê ‘lambança’ na sucessão da Petrobras após declínios de Landim e Pires; agora, está em pauta o adiamento da assembleia que definiria novos integrantes do Conselho de Administração;
  • Servidores do Banco Central não recebem proposta de reajuste salarial e prometem intensificar greve que já parou divulgação do Boletim Focus.

Este resumo foi enviado por volta das 7h para mais de 3,5 mil leitores do Correio Sabiá no WhatsApp. Clique aqui para receber.

Clique aqui para acessar a notícia da Agenda da Semana, onde você encontrará os principais eventos políticos e econômicos esperados para os próximos dias.

Clique aqui para se INSCREVER no Sabiá no Ar, o podcast diário do Correio Sabiá no Spotify.

Financie o nosso jornalismo independente. Precisamos de você para continuar produzindo um material de qualidade.

Para ficar de olho hoje:

Agora, pegue seu café e vamos ao resumo de notícias:

Petrobras. Depois da desistência do economista Adriano Pires assumir a presidência da Petrobras, comunicada oficialmente nesta segunda-feira (4), e do presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, assumir a presidência do Conselho de Administração da estatal, comunicada oficialmente no domingo (3), o governo federal, diga-se o presidente Jair Bolsonaro (PL), acredita que houve uma “lambança” na definição da sucessão da empresa.

Contexto. Aos olhos gerais do público, a impressão foi: o governo pensou muito, e decidiu indicar formalmente nomes para comandar a estatal. Dois cargos-chave. Anunciou a demissão do general Joaquim Silva e Luna e, dias depois de indicar os responsáveis por suceder a empresa, teve que lidar com os declínios públicos dos 2 indicados. 

Motivos. Landim disse que queria se dedicar exclusivamente ao Flamengo. E Adriano Pires, que tinha uma empresa de consultoria estabelecida há mais de 20 anos que lucrava com estudos e análises estratégicas do setor de energia, incluindo a Petrobras, configurava um claro conflito de interesses, admitido por ele próprio na carta em que recusa o convite.

As escolhas teriam recebido a benção de congressistas do Centrão, aquele grupo de partidos mais alinhado pelo interesse em cargos e verbas do que por uma coloração ideológica bem definida. Mas quem ficou à frente mesmo dessas escolhas, colhendo os elogios e, claro, as críticas, foi o ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia). O ministro Paulo Guedes (Economia) nem passou perto das indicações. Não apitou nada nessa história.

Mais. Agora, voltou a ser cotado para o cargo o secretário de Desburocratização e Gestão de Governo Digital do Ministério da Economia, Caio Paes de Andrade. Ou seja, assessor do Paulo Guedes. Só que o nome enfrenta resistência, porque Paes de Andrade não tem experiência no setor de óleo e gás.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), também discorda de uma eventual indicação do assessor de Guedes, por falta de experiência e traquejo político para comandar a estatal num momento de alta do preço dos combustíveis.

Privatização. Aliás, Lira criticou a Petrobras e falou em privatização. Já o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse que a privatização não está na mesa.

O fato é que, no cenário atual, sem substitutos definidos para os lugares de Rodolfo Landim e de Adriano Pires, o governo estuda adiar a Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária da Petrobras, que elegeria os novos integrantes do Conselho de Administração. O encontro virtual dos acionistas está marcado para o dia 13 de abril.

Guerra. O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, questionou ontem o papel da ONU (Organização das Nações Unidas) em combater a guerra no seu país, durante discurso ao Conselho de Segurança da organização. 

Zelenskiy ainda comentou sobre o massacre ocorrido em Bucha, que fica perto da capital Kiev. A gente comentou por aqui, talvez você se lembre, que foram encontrados mais de 400 corpos em valas comuns em Bucha.

Mais. O presidente ucraniano disse que, agora, o mundo pode ver o que fez o Exército russo, mas falou que ainda resta mostrar o que as tropas fizeram nas outras cidades sob sua ocupação. Ele acrescentou que os russos atiraram e mataram mulheres do lado de fora de suas casas quando tentaram ligar para alguém. e que destruíram famílias inteiras, adultos e crianças.

Outro lado. No mesmo evento, o embaixador russo na ONU disse que a Rússia não teve envolvimento na morte dos civis encontrados em Bucha. De acordo com ele, há “inconsistências flagrantes” nos relatos promovidos pela mídia ucraniana e ocidental.

As inconsistências, segundo ele, seriam que: não tinha cadáveres imediatamente após a saída das tropas russas; que haveria vídeos podendo comprovar isso; e que haveria registros de radicais ucranianos pedindo tiros contra quem estivesse de braçadeiras brancas, ou seja, civis.

Portanto, segundo o embaixador russo, teriam sido os radicais ucranianos os responsáveis pelo massacre dos civis ucranianos. Mais de 400 mortos, repetindo.

Continuando. Enquanto isso, à imprensa local, o presidente Zelenskiy disse que as negociações por um cessar-fogo, embora sejam difíceis, precisam continuar.

E, por aqui pelo Brasil, o embaixador da Rússia convidado a falar sobre a guerra no Senado, disse que os ucranianos usam informações falsas para manipular a opinião pública e que “a verdade” mostrará a necessidade de realizar a operação militar na Ucrânia para desnazificar o país.

Greve. O sindicato dos servidores do Banco Central informou ontem que vai intensificar a greve, que impediu inclusive a divulgação do Boletim Focus na segunda-feira.

Ontem houve uma reunião no Ministério da Economia, na qual não houve proposta de reajuste salarial. Por isso, a greve será intensificada. 

E os funcionários do Tesouro Nacional suspenderam suas atividades ontem e prometeram fazer uma nova paralisação para pedir reajustes salariais na próxima quarta-feira (13).

Eleições. O PSB informou que vai oficializar a indicação do ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para ser vice na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na sexta-feira (8).

Financie o nosso jornalismo independente. Precisamos de você para continuar produzindo um material de qualidade.

Campanha de apoio do Correio Sabiá: Vacina contra a desinformação

leia mais