Resumo de notícias #745 do Sabiá (24.mar) - Comece o dia voando

Resumo de notícias #745 do Sabiá (24.mar) - Comece o dia voando

Resumo de notícias #745 do Sabiá (24.mar) – Comece o dia voando

Zelenskiy discursa a japoneses e franceses; Preço do petróleo sobe, e dólar cai ao menor patamar em 2 anos
Foto divulgada por Zelenskiy em sua conta oficial no Twitter.
O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, pediu ajuda para negociações de cessar-fogo com a Rússia / Foto: Reprodução /Twitter Volodymyr Zelenskiy

Neste resumo você encontrará alguns desses tópicos:

  • Zelenskiy discursa a japoneses e franceses; enquanto isso, russos avançam sobre Mariupol, que vai sendo tomada às ruínas; Otan se reúne nesta quinta-feira (24);
  • Preço do barril do petróleo sobe, ações de petroleiras também avançam, ajudam a puxar o Ibovespa, e o dólar cai a R$ 4,84, o menos patamar em 2 anos;
  • Cármen Lúcia será relatora de inquérito que apura áudios do ministro da Educação; prefeitos falam em pedidos de propina de ‘pastores lobistas do MEC’.

Este resumo foi enviado por volta das 8h para mais de 3,5 mil leitores do Correio Sabiá no WhatsApp. Clique aqui para receber.

Clique aqui para acessar a notícia da Agenda da Semana, onde você encontrará os principais eventos políticos e econômicos esperados para os próximos dias.

Clique aqui para se INSCREVER no Sabiá no Ar, o podcast diário do Correio Sabiá no Spotify.

Financie o nosso jornalismo independente. Precisamos de você para continuar produzindo um material de qualidade.

Para ficar de olho hoje:

  • Guerra. Conflito na Ucrânia, que começou no dia 24 de fevereiro, completa 1 mês.
  • Leilão. O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) promove leilão para privatizar a Companhia Docas do Espírito Santo. 
  • Senado. Sessão de debates sobre as causas e os efeitos da guerra entre Rússia e Ucrânia e suas consequências para a economia.

Agora, pegue seu café e vamos ao resumo de notícias:

Ucrânia. O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, discursou por vídeos ao Parlamento do Japão e à Assembleia da França. Nos 2 casos, pediu ajuda para negociar um cessar-fogo com a Rússia. Ao Japão, especificamente, pediu que una a Ásia para conter os avanços militares dos russos em seu país.

Mais. Enquanto isso, Mariupol vai sendo tomada pela Rússia, após a Ucrânia resistir a um ultimato para entregá-la. A cidade está em ruínas, e as tropas russas já começam a entrar, depois de terem feito um cerco.

Contexto. Mariupol foi a cidade que tomou os noticiários depois de um bombardeio a uma maternidade, que deixou dezenas de grávidas feridas. Houve também um bombardeio russo a uma escola de artes que abrigava cerca de 400 pessoas.

Rússia. Um dos mais antigos aliados do presidente da Rússia, Vladimir Putin, deixou o governo. O motivo teria sido justamente o conflito na Ucrânia. E Putin se reuniu ontem, quarta-feira, com o primeiro-ministro de Israel.

Contexto. o presidente da Ucrânia fez neste domingo (20) um discurso ao Parlamento de Israel. O jornalista Henry Galsky tem escrito vários artigos para o site do Correio Sabiá, e ele escreve diretamente de Israel. O último texto foi exatamente sobre as controvérsias desse discurso do Zelenskiy, presidente ucraniano, aos parlamentares israelenses.

Henry mostrou que, durante o discurso, Zelenskiy questionou abertamente por que o governo de Naftali Bennett não enviou à Ucrânia o sistema de defesa antimísseis conhecido como Domo de Ferro. Mas a tendência é que Israel mantenha a neutralidade no que diz respeito ao envolvimento direto no conflito, tendo uma linha de atuação em duas frentes: de ajuda humanitária aos refugiados e de mediação política entre as partes.

Negociações. A cúpula da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), aliança militar liderada pelos Estados Unidos, pediu ontem que a China se abstenha de apoiar a Rússia. O grupo se reúne hoje em Bruxelas, na Bélgica, onde o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, desembarcou na noite desta quarta (23). Aliás, os Estados Unidos vão enviar um novo carregamento de armas no valor de US$ 800 milhões (quase R$ 4 bilhões) para a Ucrânia.

Mais. Os impasses sobre as negociações de cessar-fogo e a possibilidade de novos anúncios de restrições de países europeus ao petróleo russo fizeram o valor do barril do petróleo Brent, referência aos preços da Petrobras, subir quase 6% e fechar acima de US$ 121 para maio. Por outro lado, as ações das petroleiras no Brasil valorizaram, a Bolsa subiu e o dólar caiu.

Economia. O dólar fechou ontem a R$ 4,84. Foi o menor nível em mais de 2 anos. Já o Ibovespa está indo no caminho contrário e engatou a 6ª alta consecutiva, desta vez de 0,16%, fechando o pregão acima dos 117 mil pontos. A Bolsa brasileira foi também na direção oposta às bolsas americanas, que tiveram quedas consideráveis, todas superiores a 1,2%.

Contexto. A queda lá fora ocorre principalmente por causa das incertezas com a guerra na Ucrânia e pela possibilidade de países europeus imporem mais restrições ao petróleo russo.

Educação. Ouvidos pelo jornal O Globo, 2 prefeitos disseram que o pastor Arilton de Moura pediu propina para ajudá-los a destravar recursos do MEC (Ministério da Educação) para a construção de escolas nos municípios que administram. Os relatos foram dos prefeitos Kelton Pinheiro, de Bonfinópolis (GO), e José Manoel de Souza, de Boa Esperança do Sul (SP). Os valores, segundo eles, variavam de R$ 15 mil a R$ 40 mil, além da compra de bíblias.

Contexto. Apontados como lobistas numa espécie de gabinete paralelo no MEC, os pastores Gilmar Santos e Arilton de Moura se encontraram 3 vezes com o presidente Jair Bolsonaro (PL) no Palácio do Planalto, sede do Poder Executivo, em reuniões registradas na agenda oficial. O ministro Milton Ribeiro (Educação) foi gravado em conversa com prefeitos a dizer que, por orientação de Bolsonaro, alocava os recursos da pasta sob indicação “do pastor Gilmar”.

Mais. Congressistas de oposição foram à Justiça contra o ministro. O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu ao STF que investigue o áudio, e a ministra Cármen Lúcia será a relatora. Já Milton Ribeiro se dispôs a ir ao Senado dar explicações. Em nota divulgada na terça-feira (22), o ministro falou que, “diferentemente do que foi veiculado, a alocação dos recursos ocorre seguindo a legislação orçamentária”. Depois de ser gravado dizendo que a determinação de priorizar os indicados dos pastores era de Bolsonaro, Ribeiro disse que o presidente não pediu atendimento preferencial

Financie o nosso jornalismo independente. Precisamos de você para continuar produzindo um material de qualidade.

Campanha de apoio do Correio Sabiá: Vacina contra a desinformação

leia mais