Resumo de notícias #724 do Sabiá (16.fev) - Comece o dia voando

Resumo de notícias #724 do Sabiá (16.fev) - Comece o dia voando

Resumo de notícias #724 do Sabiá (16.fev) – Comece o dia voando

Na Rússia, Bolsonaro tem encontro com Putin; Senado deve votar 2 projetos para baratear combustíveis
(Moscou - Rússia, 15/02/2022) Chegada a Moscou / Foto: Alan Santos/PR
Chegada de Bolsonaro a Moscou / Foto: Alan Santos/PR

Neste resumo você encontrará alguns desses tópicos:

  • Bolsonaro tem encontro com o presidente russo Vladimir Putin num momento de tensão por uma possível invasão da Rússia à Ucrânia;
  • Pacheco diz que os 2 projetos que tratam de reduzir preço dos combustíveis devem ir à votação hoje; relator ainda sugere ampliar o auxílio-gás;
  • Chuvas em Petrópolis deixam mais de 30 mortos; Em Moscou, Bolsonaro diz que determinou ajuda às vítimas

Este resumo foi enviado antes, por volta das 7h, para empresas assinantes do Correio Sabiá, por e-mail. Entre em contato para receber: parceria@correiosabia.com.br

Em seguida, em formato reduzido, o resumo foi enviado pelo WhatsApp para mais de 3,5 mil leitores do Correio Sabiá. Clique aqui para receber.

Clique aqui para acessar a notícia da Agenda da Semana, onde você encontrará os principais eventos políticos e econômicos esperados para os próximos dias.

Clique aqui para se INSCREVER no Sabiá no Ar, o podcast diário do Correio Sabiá no Spotify.

Financie o nosso jornalismo independente. Precisamos de você para continuar produzindo um material de qualidade.

5 notícias que podem ser do seu interesse:

Para ficar de olho hoje:

  • Viagem presidencial. Encontro de Bolsonaro com o presidente russo Vladimir Putin. Depois, Bolsonaro almoçará na sede do governo russo, terá reunião com o presidente da Câmara baixa do Parlamento e um encontro com empresários.
  • Congresso. Líderes dos partidos devem se reunir para tentar dividir as comissões permanentes entre si.
  • Pandemia. CDH (Comissão de Direitos Humanos) do Senado ouve o diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antonio Barra Torres, para discutir uma polêmica nota técnica do Ministério da Saúde, publicada no final de janeiro, colocando em dúvida a efetividade das vacinas contra a covid-19.
  • Judiciário. STF (Supremo Tribunal Federal) retoma julgamento que analisa as restrições à veiculação de propaganda eleitoral em jornais impressos.
  • EUA. Fed (Federal Reserve) divulga a ata da última reunião de seu Comitê de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês), que decidiu, por enquanto, pela manutenção dos juros historicamente baixos no país. O documento é importante, porque pode alinhar expectativas sobre o ciclo de alta de juros, esperado para começar em março.
  • EUA. Divulgação dos dados de vendas do varejo americano em janeiro e da produção industrial.
  • Reino Unido. Divulgação dos dados inflacionários do Reino Unido, onde já começou o ciclo de aperto monetário.

Agora, pegue seu café e vamos ao resumo de notícias:

Política:

Viagem presidencial. O presidente Jair Bolsonaro (PL) tem encontro hoje com o presidente da Rússia, Vladimir Putin. Em seguida, Bolsonaro almoçará na sede do governo russo, terá reunião com o presidente da Câmara baixa do Parlamento e um encontro com empresários.

Contexto. Bolsonaro saiu do Brasil na 2ª feira (14). Chegou ontem, 3ª feira (15), à Rússia. Deve retornar na 5ª feira (17), após passar pela Hungria. A viagem ocorre num momento de escalada da tensão internacional por causa de uma possível invasão da Rússia à Ucrânia. No entanto, analistas consideram ser improvável um confronto militar durante a visita de um chefe de Estado em território russo.

Mais. Depois de o ex-ministro Abraham Weintraub (Brasil 35) ser cotado a pré-candidato ao governo de São Paulo –onde disputaria a eleição com o ministro e pré-candidato bolsonarista Tarcísio de Freitas (Infraestrutura)–, desta vez o ex-ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) foi quem ficou no caminho do presidente. Ele criticou a ida de Bolsonaro à Rússia e falou que “neutralidade” seria não visitar nenhum país ou visitar os 2.

Congresso. Enquanto isso, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse que os projetos que tentam baratear os preços dos combustíveis devem ir hoje à votação no plenário da Casa. Havia a possibilidade de os textos serem votados nesta 3ª feira (15). No entanto, Pacheco optou por ampliar o prazo de “emendamento” dos projetos por causa da “complexidade” da matéria. 

Contexto. “Emendamento” é a apresentação de emendas aos textos dos projetos. São trechos complementares que os congressistas podem acrescentar aos projetos para alterar seu conteúdo. Elas também devem ser votadas junto com projetos. 

Mais. São 2 os PLs (projetos de lei) –PL 1.472/2021 e o PLP 11/2020– em discussão com objetivo de reduzir o preço dos combustíveis, sendo ambos relatados pelo senador Jean Paul Prates (PT-RN). O PL 1.472/2021 cria um fundo para estabilizar o preço do petróleo e de derivados, além de estabelecer uma nova política de preços internos. Já o PLP 11/2020 determina um valor fixo para a cobrança do ICMS (Imposto sobre o Consumo de Mercadorias e Serviços) sobre os combustíveis.

Auxílio-gás. Ao apresentar ontem o parecer do PLP 11/2020, o senador Jean Paul Prates sugeriu ainda a ampliação do auxílio-gás em 2022, com um impacto estimado em R$ 1,9 bilhão, que permitiria atender 11 milhões de famílias –o dobro da quantidade atual. A fonte para a nova despesa viria, de acordo com ele, dos recursos arrecadados com os bônus de assinatura dos campos de Sépia e Atapu, localizados na Bacia de Santos.

Judiciário. Pacheco ainda teve um encontro com o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). O motivo da reunião era saber se é permitido fazer alterações no valor dos combustíveis em ano eleitoral. Por ora, não há uma resposta sobre o tema. Barroso teria dito que aguarda questionamento oficial do Poder Executivo.

Câmara. A Câmara aprovou ontem, em 2 turnos, a PEC (proposta de emenda à Constituição) 32/2021, que aumenta de 65 para 70 anos a idade máxima dos nomeados aos cargos de juízes e ministros de tribunais regionais federais e de tribunais superiores. Agora, a proposta seguirá para o Senado, onde também precisará passar por votações em 2 turnos para ser aprovada.

Executivo. Por fim, de Moscou, Bolsonaro divulgou em suas redes sociais que tomou “conhecimento sobre a tragédia que se abateu em Petrópolis”, no Rio de Janeiro, onde as chuvas deixaram ao menos 23 mortos. “Fiz várias ligações para os ministros Rogério Marinho [Desenvolvimento Regional] e Paulo Guedes [Economia] para auxílio imediato às vítimas, bem como conversei com o ministro da Defesa, General Braga Neto, que me acompanha na Rússia”, escreveu o presidente. “Falei também com o governador do Rio, Cláudio Castro, que se encontra na região atingida”, acrescentou.

Pandemia: 

O Ministério da Saúde registrou ontem mais 120.549 novos casos de covid-19 em 24h. Foram mais 854 mortes no mesmo período.

Economia:

O Ibovespa voltou a subir no pregão de ontem (já é a 6ª vez consecutiva). Agora, avançou 0,82%, aos 114.828 pontos, apesar de duas ações de peso do índice –Petrobras e Vale– terem caído. 

Praticamente todas as ações do Ibovespa subiram no pregão de ontem, exceto aquelas atreladas aos preços das commodities. No caso do petróleo, houve queda por causa do possível recuo russo em relação à Ucrânia. 

Embora o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, tenha dito num pronunciamento que não há sinais de recuo das tropas russas, o entendimento que prevaleceu é de que realmente há uma sinalização da Rússia por uma trégua. Isso derrubou os preços do petróleo no mercado internacional. Aliás, o ministro da Defesa da Rússia anunciou o retorno de algumas de suas tropas na fronteira com a Ucrânia.

Já o minério de ferro despencou 8,9% na bolsa chinesa de Qingdao, por causa do endurecimento de medidas de Pequim sobre especuladores do metal. As ações da CSN (CSNA3), por exemplo, lideraram as baixas do pregão, recuando 4,83%.

O dólar comercial encerrou a sessão em queda de 0,72%, a R$ 5,1807, após oscilar entre R$ 5,1667 e R$ 5,2173. O fluxo de capital externo fez a divisa cair em relação ao real.

Nos Estados Unidos, o Dow Jones subiu 1,22%, aos 34.988 pontos; o S&P 500 avançou 1,58%, aos 4.471 pontos; e a Nasdaq teve alta de 2,53%, aos 14.139 pontos.

Campanha de apoio do Correio Sabiá: Vacina contra a desinformação

leia mais