#937: Saiba como foi a entrevista do presidente do BC no Roda Viva

#937: Saiba como foi a entrevista do presidente do BC no Roda Viva

#937: Saiba como foi a entrevista do presidente do Banco Central no Roda Viva

Evento constava na Agenda da Semana do Correio Sabiá, que dá previsibilidade ao noticiário
Sabiá: Roberto Campos Neto, em entrevista ao Roda Viva no dia 3 de fevereiro de 2023 / Foto: Reprodução/TV Cultura
Sabiá: Roberto Campos Neto, em entrevista ao Roda Viva no dia 3 de fevereiro de 2023 / Foto: Reprodução/TV Cultura

Saiba como foi a entrevista de Campos Neto no Roda Viva

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, concedeu entrevista na noite desta segunda-feira (13.fev.2023) ao programa Roda Viva, da TV Cultura. A transmissão constava na Agenda da Semana do Correio Sabiá, conteúdo atualizado diariamente e que lista, por data, os eventos políticos e econômicos mais relevantes. Dá previsibilidade ao noticiário.

Contexto: a entrevista ocorreu num momento em que Campos Neto recebe diversas críticas de integrantes do governo federal, inclusive do próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), por causa do patamar da taxa básica de juros, a Selic (13,75% ao ano). A última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), encerrada no dia 1º de fevereiro de 2023, definiu por manter a Selic no mesmo patamar. Ou seja, manteve-se o patamar de 13,75% ao ano, sem mudanças.

Mais: na quinta-feira (16), o CMN (Conselho Monetário Nacional) terá reunião, com expectativa de que haja a antecipação das discussões sobre metas de inflação, que só deveriam ocorrer em junho. Quem preside o CMN é o ministro da Fazenda, Fernando Haddad. O evento também consta na Agenda da Semana do Correio Sabiá, dando previsibilidade ao noticiário.

10 pontos da entrevista de Campos Neto ao Roda Viva

Eis abaixo 10 pontos da entrevista de Roberto Campos Neto ao Roda Viva, da TV Cultura:

  1. disse que existem aprimoramentos a fazer sobre as metas de inflação e que o Banco Central tem mais de uma proposta nesse sentido, mas não quis detalhar sobre quais seriam essas propostas, porque são “sensíveis ao mercado”;
  2. esses aprimoramentos estão em estudo e são sugestões (o Banco Central contribui com sugestões, mas quem apresenta formalmente esses eventuais aprimoramentos é o ministro da Fazenda, que preside o CMN, que é o Conselho Monetário Nacional);
  3. esclareceu que o Banco Central não é responsável por estabelecer a meta de inflação, mas sim o CMN (Conselho Monetário Nacional), que é presidido pelo ministro da Fazenda (o Banco Central tem 1 dos 3 votos, sendo que o Banco Central vota colegiadamente, ou seja, decide em conjunto com sua diretoria);
  4. neste caso, o Banco Central tem apenas autonomia para definir suas políticas monetárias e perseguir essa meta de inflação, que (repetindo) é definida pelo CMN;
  5. falou que o debate sobre o patamar da taxa básica de juros, a Selic, é “muito válido” e se colocou à disposição para explicar as decisões do Banco Central nesse sentido;
  6. elogiou as conversas que vem tendo com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad;
  7. citou “conversa muito boa” com a ministra Simone Tebet (Planejamento) no sentido de aprovar uma reforma tributária;
  8. disse que os gastos “não se tratam de um governo ou de outro,” mas sim de um “processo contínuo” de aumento de gastos ao longo de todos os governos, historicamente;
  9. sinalizou que entende que o atual governo tem feito sinalizações positivas para construção de um novo arcabouço fiscal;
  10. disse que, no Banco Central, a opinião é de que mudar a meta de inflação não vai dar mais flexibilidade para abaixar a taxa de juros, mas sim perder.

Vídeos: Roberto Campos Neto dá entrevista ao Roda Viva

Veja abaixo a entrevista completa de Roberto Campos Neto ao Roda Viva, da TV Cultura::

Eis abaixo alguns trechos, em vídeo, da entrevista de Roberto Campos Neto ao Roda Viva:

Declarações de Campos Neto ao Roda Viva:

Fizemos a transcrição de alguns trechos relevantes da entrevista do presidente do Banco Central ao Roda Viva para te ajudar a entender melhor as notícias:

“Sempre tentamos isolar o Banco Central [de atos políticos]. Inclusive, na campanha, houve uma tentativa de politizar o PIX e todas as vezes que eu falava, eu falava: ‘Olha, o PIX não é de um governo nem de outro. O PIX é do Banco Central, dos funcionários do Banco Central’.”

“Algumas vezes eu entrava em assuntos que eu achava que eram importantes para o Brasil, que eram importantes de Estado. Também às vezes era criticado. A compra da vacina da Pfizer, que eu participei ativamente. A parte do Meio Ambiente, que eu sempre reclamei da política do Meio Ambiente.”

“Esse governo é um governo de coalizão. Tem várias pessoas que estão no governo que votaram contra o governo, que vieram de outros lugares. Acho que agora é hora da gente se unir, fazer um projeto pelo país, esquecer dessas coisas pequenas e pensar assim: ‘O que a gente precisa para fazer esse país crescer?'”

“O Banco Central não gosta de juros altos (…). A gente acredita que é possível fazer fiscal junto com bem-estar social. Mas a gente acredita que é muito difícil ter bem-estar social com inflação descontrolada, porque a inflação é um imposto que afeta muito a classe mais baixa.”

“Se a gente pegar países que têm a inflação alta há bastante tempo, por exemplo, como a Turquia, olha o que acontece com a desigualdade na Turquia nos últimos 1 ano e meia. a inflação gera uma diferença muito grande entre quem tem capacidade de proteger e quem não tem. Então a gente entende que olhar para a inflação é olhar para o social também.”

“Não entendemos que a meta é um instrumento de política monetária. Existem, obviamente, sempre aprimoramentos a se fazer. A gente vem estudando desde 2017, ainda com um grupo de diretores que nem mais participam da Casa sobre como a gente poderia aprimorar o sistema de metas, e aí não é uma proposta, tem mais de uma proposta no sentido de aprimorar.”

“A gente hoje tem uma boa vontade muito grande com o governo, [que é] mundial, a gente vê fluxos entrando no país, a gente vê as pessoas querendo investir, a gente tem boas iniciativas. Tem uma iniciativa na frente fiscal, tem uma iniciativa na frente de arcabouço, tem uma iniciativa na frente de reforma tributária. Então eu acho que a gente, ao longo do tempo, com essas iniciativas se maturando, vai abrir espaço para a gente ter um caminho melhor.”

Lula participa de ato de aniversário do PT

Nesta segunda-feira (13), antes da entrevista de Campos Neto ao Roda Viva, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou de ato de aniversário do PT. Constava na Agenda da Semana do Correio Sabiá. Sobre isso, é importante que você saiba 5 coisas:

  1. Numa reunião interna do PT, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que Lula deve decidir nos próximos dias sobre a proposta que altera faixa de isenção do IR (Imposto de Renda) 2023;
  2. Haddad também falou que Lula deve decidir sobre o valor do salário mínimo em breve (*Nota: o patamar atual é de R$ 1.302, como foi definido pelo ex-presidente Jair Bolsonaro [PL], e não R$ 1.320, como foi prometido pelo PT. O motivo disso é que houve um aumento do número de beneficiários do INSS [Instituto Nacional do Seguro Social], então o valor definido para aumentar o piso nacional acabou consumido com essa despesa. Explicamos isso em nossa curadoria de notícias de 1 mês atrás, publicada no dia 13 de janeiro de 2023);
  3. A direção do PT orientou suas bancadas na Câmara e no Senado para trabalhar pela convocação de Campos Neto para explicar o patamar da taxa básica de juros.
  4. Além disso, a direção do PT quer a revisão da privatização da Eletrobras, que é algo que Lula já havia apontado na semana passada;
  5. E quer ainda a revisão da política de paridade de preços da Petrobras, que varia de acordo com o valor do barril do petróleo no mercado internacional.

Lula anuncia retomada do Minha Casa, Minha Vida nesta terça-feira (14)

Para concluir, Lula anuncia nesta terça-feira (14.fev) a retomada do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida. O anúncio vai ocorrer na Bahia. Consta na Agenda da Semana do Correio Sabiá. O programa prevê financiar 2 milhões de unidades até 2026.

O Minha Casa, Minha Vida foi criado em 2009, mas deixou de existir em 2020. O programa habitacional do governo anterior, do ex-presidente Jair Bolsonaro, chamava-se Casa Verde e Amarela.

Lembrando que Lula retornou ao Brasil neste final de semana. Ele estava nos Estados Unidos. Veja como foi a viagem.

Veja ainda uma lista com todas as viagens internacionais de Lula em 2023. Este conteúdo será atualizado permanentemente, a cada nova informação que surgir:

http://correiosabia.com.br/lista-viagens-internacionais-lula-2023/
  • Leia outras notícias recentes do Correio Sabiá:

Vale sempre lembrar que você pode e deve seguir o Correio Sabiá, @correiosabia, em todas as redes sociais: combatemos a desinformação, porque achamos que uma sociedade bem informada toma decisões melhores.

leia mais