#933: Mercadante tome posse como presidente do BNDES

#933: Mercadante tome posse como presidente do BNDES

#933: Saiba como foi a posse de Mercadante na presidência do BNDES

Banco estatal é responsável, entre outras coisas, por financiamentos de obras públicas
Sabiá: Cerimônia de posse de Aloizio Mercadante na presidência do BNDES, no auditório do edifício-sede do banco, no Rio de Janeiro (RJ) / Foto: Ricardo Stuckert/PR
Sabiá: Cerimônia de posse de Aloizio Mercadante na presidência do BNDES, no auditório do edifício-sede do banco, no Rio de Janeiro (RJ) / Foto: Ricardo Stuckert/PR
Assobio: esta curadoria foi publicada originalmente no dia 6 de fevereiro de 2023, às 12h39, mas recebeu atualizações para deixá-lo/a mais bem informado.

Mercadante toma posse como presidente do BNDES

Político, economista, professor e acadêmico, Aloizio Mercadante tomou posse nesta segunda-feira (6.fev.2023) como presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Mercadante já foi:

  • ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação (2011-2012)
  • ministro da Educação (2012-2014 e 2015-2016)
  • ministro da Casa Civil (2014-2015)

*Todos os ministérios que ocupou foram no governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Mercadante é um dos fundadores do PT, foi deputado federal por 3 mandatos (1991-1995, 1995-1999 e 1999-2003) e, logo depois, virou senador por 1 mandato (2003-2011). Deixou o Senado em 2011, mesmo ano em que virou ministro de Dilma.

Lula e Alckmin, durante evento da transição de governo / Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação
Sabiá: Mercadante (de gravata vermelha, ao lado de Alckmin) participa de evento da transição de governo / Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Na eleição de 2022, Mercadante foi um dos coordenadores da campanha de Lula. Havia, inclusive, a expectativa inicial de que ele não pudesse ser indicado para presidir o BNDES justamente por ter atuado na campanha. Falou-se que seria necessária uma alteração na Lei das Estatais.

No entanto, o TCU (Tribunal de Contas da União) entendeu que a atuação de Mercadante na campanha foi meramente intelectual. Não houve remuneração ou qualquer tipo de formalidade que o vinculasse à campanha. Portanto, não haveria também nenhum impedimento para que fosse indicado ao BNDES.

Explicamos tudo sobre esse assunto e sobre a Lei das Estatais numa ampla reportagem publicada no Correio Sabiá. Leia abaixo:

Lula, que passou o final de semana em São Paulo, viajou ao Rio de Janeiro (RJ) para participar da posse de Mercadante. O evento e a participação do presidente da República constavam na Agenda da Semana do Correio Sabiá, que dá mais previsibilidade ao noticiário.

Declarações de Lula na posse de Mercadante no BNDES

‘Você só tem uma missão aqui, Aloizio, é fazer esse banco voltar a ser motivo de orgulho do povo brasileiro. É voltar a fazer com que esse banco esteja de porta aberta para os empresários que precisarem fazer investimentos em coisas novas, em novos empreendimentos’

‘Esse banco não pode pegar dinheiro e devolve para o governo. Esse banco tem que pegar dinheiro e devolver para o governo gerando investimento, gerando emprego, gerando renda e gerando melhoria na qualidade de vida do nosso povo’

‘Pode ter certeza que daqui a pouco começam os problemas, e eu tenho certeza que você vai saber resolvê-los. Porque, se você não resolvê-los, eu e Alckmin vamos ficar no seu pé até você resolver os problemas e ajudar a classe empresarial, que precisa aprender a reivindicar, precisa aprender a reclamar de juros altos. Precisa aprender a reclamar, porque, quando o Banco Central era dependente de mim, todo mundo reclamava. Era o único dia que a Fiesp [Federação das Indústrias do Estado de São Paulo] falava, era quando aumentava o juros. Era o único dia. Alguns dirigentes sindicais, tem aqui alguns amigos meus, e a Fiesp todo dia do Copom [Comitê de Política Monetária] falava de juros. Todo dia do Copom! Agora eles não falam. No meu tempo 10,5% era muito, hoje 13,5% é pouco.’

‘Então é preciso, Josué, que você saiba… Se a classe empresarial não se manifestar, se as pessoas acharem que vocês estão felizes com 13,5% [sic, a taxa está em 13,75% ao ano], sinceramente, eles não vão abaixar juros. E nós precisamos ter noção. E não é o Lula que vai brigar, não. Quem tem que brigar é a sociedade brasileira’

‘Não existe nenhuma justificativa, nenhuma justificativa!, para que a taxa de juros esteja neste momento a 13,5% [sic, a taxa está em 13,75% ao ano]. É só ver a carta do Copom para a gente saber que é uma vergonha esse aumento de juros [a última reunião do Copom decidiu por manter a taxa no mesmo patamar, o de 13,75% ao ano, e não aumentar] e a explicação que eles deram para a sociedade brasileira’

‘Tem muita gente que fala ‘po, mas o presidente da República não pode falar isso, o presidente da República não pode falar…’ Ora, se eu que fui eleito não puder falar, quem que vão querer que fale? O catador de material reciclável? […] Não, eu que tenho que falar’

Tanto o Ibovespa, principal índices de ações do Brasil, quanto o real (R$) desvalorizaram nesta terça-feira (7.jan.2023) após declarações de Lula contra o Banco Central.

Aliás, nesta mesma terça o Banco Central divulgou a ata da sua última reunião (eis a íntegra), encerrada no dia 1º de fevereiro, que decidiu pela manutenção da taxa de juros no patamar de 13,75% ao ano.

Já Lula, nesta terça (7), criticou a privatização da Eletrobras e disse que, “possivelmente”, a AGU (Advocacia-Geral da União) vai pedir a revisão do processo de desestatização.

*Nota: Esta curadoria de notícias está sendo atualizada ao longo desta segunda-feira (6.fev.2023). Se surgirem mais informações relevantes, acrescentaremos aqui. Em formato enxuto, enviaremos o material consolidado em nossos grupos de WhatsApp para cerca de 4 mil leitores diários na terça-feira (7.fev). Cadastre-se para receber.

Relembre como foi a nossa curadoria de notícias anterior e saiba o contexto dos últimos acontecimentos.

  • Leia as últimas notícias do Correio Sabiá:

Vale sempre lembrar que você pode e deve seguir o Correio Sabiá, @correiosabia, em todas as redes sociais: combatemos a desinformação, porque achamos que uma sociedade bem informada toma decisões melhores.

leia mais