#864: Bolsonaro na maçonaria e a religião no centro das eleições

#864: Bolsonaro na maçonaria e a religião no centro das eleições

#864: Bolsonaro na maçonaria e a religião no centro da disputa eleitoral

Viralizou um vídeo do presidente numa loja massônica; coordenação de campanha fica incomodada
Bolsonaro em agenda de campanha no dia 4 de outubro de 2022 / Foto: Divulgação
Bolsonaro em agenda religiosa na campanha, no dia 4 de outubro de 2022 / Foto: Divulgação

O resumo do resumo:

  • Viraliza nas redes sociais um vídeo de Bolsonaro na maçonaria; *Correio Sabiá* mostra que Bolsonaro, quando deputado federal em 1996, também divulgou evento de loja maçônica; entenda por que o assunto atinge a campanha do presidente junto ao eleitorado religioso;
  • PDT anuncia apoio a Lula; Ciro diz seguir orientação do partido, mas não cita petista e declara que não aceitará cargos em eventual governo; Tebet também deve apoiar Lula nesta quarta-feira (5), como consta na Agenda da Semana do Correio Sabiá;
  • Bolsonaro recebe apoios dos governadores dos 3 maiores colégios eleitorais do Brasil –São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro–, além de Sergio Moro, agora eleito senador;
  • Apoio de Rodrigo Garcia a Bolsonaro expõe novo racha dentro do PSDB; José Serra diz que apoia Lula para Presidência, mas Tarcísio para São Paulo

Financie o nosso jornalismo independente. Assim, você nos ajuda no combate à desinformação e ganha uma experiência ainda melhor com o Sabiá.

  • Clique aqui para acessar a Agenda da Semana, onde você encontrará os principais eventos políticos e econômicos esperados para hoje e para os próximos dias.

Agora, pegue o seu café e vamos à curadoria completa das notícias essenciais:

Bolsonaro na maçonaria atinge campanha presidencial; entenda

Viralizou nas redes sociais um vídeo em que o presidente Jair Bolsonaro (PL) discursa num evento da maçonaria. As imagens ganharam as redes dentro de um contexto de disputa eleitoral no 2º turno. O vídeo, aparentemente, foi gravado antes de 2018, quando Bolsonaro ainda era deputado federal e não tinha se candidatado à Presidência. Em seguida, Correio Sabiá mostrou que bem antes, em 1996, Bolsonaro pediu a palavra numa sessão deliberativa da Câmara para mencionar um evento de loja maçônica.

Por que isso importa? O Correio Sabiá publicou a reportagem, porque a considera jornalisticamente relevante dentro do atual contexto. No entanto, é necessário que o leitor esteja atento para não cair em velhas generalizações: a maçonaria não é um grupo homogêneo, único, uniforme. Por mais que sejam todos maçons, cada loja é uma loja. Sendo assim, é necessário ligar a loja maçônica aos seus participantes para não ligar figura alguma, como o presidente, a todo o grupo.

Por que o tema ‘maçonaria’ atinge Bolsonaro? Os votos dos religiosos são o pano de fundo. O presidente tem nos evangélicos uma fonte de sustentação de seu governo e de apoio à reeleição. Neste caso, o que ocorre é que a maçonaria é considerada filosofia oculta pelos evangélicos. Nos últimos anos, houve evolução nessa visão, mas o assunto continua criando polêmicas.Do lado católico, o Vaticano afirmou num documento de 1983 que os princípios da maçonaria “são considerados inconciliáveis com a doutrina da Igreja”.

Os religiosos são parte expressiva do eleitorado, tanto que os 2 candidatos à Presidência que estão no 2º turno disputam esse segmento desde o início da campanha. A primeira-dama Michelle Bolsonaro, que é evangélica e tem entrada junto a esse segmento, tem atuado para conseguir votos pelo presidente nas igrejas.

Tanto Bolsonaro quanto o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tiveram agendas ligadas à religião nesta terça-feira (4). Bolsonaro participou da Convenção Fraternal das Assembleias de Deus em São Paulo (SP). Depois, teve reunião de Obreiros e Pastores. Já Lula teve encontro com o Frei Davi e frades franciscanos por ocasião do Dia de São Francisco de Assis. O ex-presidente citou diversas vezes que é cristão nas redes sociais.

Sem citar Lula, Ciro Gomes diz que seguirá apoio do PDT ao petista

Sem citar o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o candidato derrotado Ciro Gomes (PDT) anunciou que acompanhará a decisão do seu partido em apoiar a candidatura de Lula à Presidência no 2º turno. Ciro, no entanto, disse que o apoio não implica –e que não aceitará– qualquer cargo no futuro. 

“Acompanho a decisão do PDT; frente às circunstâncias, é a última saída. (…) Lamento que a trilha democrática tenha se afunilado a tal ponto que reste aos brasileiros duas opções, ao meu ver, insatisfatórias. (…) Espero que essa decisão ajude a oxigenar, temporariamente que seja, a nossa democracia.”

Além do PDT, a candidata derrotada Simone Tebet (MDB) e diretórios estaduais do MDB também devem se manifestar a favor de Lula na tarde desta quarta-feira (5).

Bolsonaro tem apoio dos governadores dos 3 maiores colégios eleitorais

Enquanto isso, Bolsonaro conseguiu alguns apoios individuais, mas já tem ao seu lado os governadores dos 3 maiores colégios eleitorais do país:

  1. São Paulo: Rodrigo Garcia (PSDB-SP)
  2. Minas Gerais: Romeu Zema (Novo-MG)
  3. Rio de Janeiro: Cláudio Castro (PL-RJ)

Zema e Cláudio Castro foram reeleitos.

Rodrigo Garcia deixará o mandato, porque Tarcísio de Freitas (Republicanos) e Fernando Haddad (PT) disputam o 2º turno em São Paulo.

Entenda ainda por que Minas Gerais é considerado um retrato de como vota o eleitorado brasileiro.

Eleito senador, Sergio Moro declara apoio a Bolsonaro

Quem também anunciou apoio ao presidente Jair Bolsonaro foi o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro (Podemos-PR), que antes era juiz e agora virou político. Elegeu-se senador. O detalhe é que Moro deixou o governo pela porta dos fundos, acusando Bolsonaro de interferir na PF (Polícia Federal).

Já o ex-governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que não conseguiu se viabilizar candidato à Presidência, declarou que não vai apoiar nenhum dos 2 presidenciáveis. Nem Lula, nem Bolsonaro.

Serra diz apoiar Lula para a Presidência, mas Tarcísio para SP

Falando no PSDB, o partido está mais rachado. Virou piada nas redes sociais uma publicação do ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB), que declarou apoiar Lula para presidente e, para o governo de São Paulo, “pela mesma razão”, palavras dele, o voto será em Tarcísio de Freitas, o candidato bolsonarista. Choveu comentário dizendo que não faz sentido.

Montagem com tweets de tucanos anunciando votos / Foto: Montagem/Reprodução/Twitter
Montagem com tweets de tucanos anunciando votos / Foto: Montagem/Reprodução/Twitter

Anteriormente, Fernando Henrique Cardoso já tinha declarado apoio implícito a Lula, sem citá-lo. Apenas elencou algumas das pautas do petista.

Fernando Henrique Cardoso, no entanto, fez um novo tweet na manhã desta quarta-feira (5) no qual declarou abertamente que votará em Lula no 2º turno.

Apoio de Garcia a Bolsonaro irrita PSDB

O apoio de Rodrigo Garcia a Bolsonaro ocorreu sem que houvesse definição do PSDB. O partido, inclusive, está mais para Lula do que Bolsonaro. Por esse motivo, dirigentes do PSDB romperam com Garcia e desautorizaram apoio a Bolsonaro. Secretários do governo estadual ameaçaram debandada do governo.

Aliás, a situação de Garcia é a seguinte: ele anunciou apoio ao Bolsonaro, mas o candidato bolsonarista em São Paulo, que é o Tarcísio, recusou ter tucanos no seu palanque. Ou seja, o Rodrigo Garcia quer apoiá-lo, mas o Tarcísio não quer ficar do lado dele. 

FHC declara abertamente que votará em Lula / Reprodução/Twitter
FHC declara abertamente que votará em Lula / Reprodução/Twitter

Vale sempre lembrar que você pode e deve seguir o Correio Sabiá, @correiosabia, em todas as redes sociais: combatemos a desinformação, porque achamos que uma sociedade bem informada toma decisões melhores.

Este resumo foi enviado por volta das 7h para quem financia o Correio Sabiá. O financiamento é voluntário e MUITO importante para continuarmos fazendo nosso trabalho. Em seguida, por volta das 8h, foi enviado gratuitamente para mais de 3,5 mil leitores do Correio Sabiá no WhatsApp, como forma de distribuir conteúdo confiável nas redes e combater a desinformação. Clique aqui para receber.

leia mais