#846: Como foi a entrevista de Bolsonaro no Jornal Nacional

#846: Como foi a entrevista de Bolsonaro no Jornal Nacional

#846: Como foi a entrevista de Bolsonaro no Jornal Nacional

Presidente voltou a defender técnicas ineficazes de combate contra a covid-19, como o tratamento precoce
Correio Sabiá: O presidente Jair Bolsonaro (PL) foi entrevistado no Jornal Nacional / Foto: Reprodução/TV Globo
Correio Sabiá: O presidente Jair Bolsonaro (PL) foi entrevistado no Jornal Nacional / Foto: Reprodução/TV Globo
Nota do editor: 
Não publicamos a versão da curadoria de notícias no site nesta segunda-feira (22.ago.2022), porque o "Entenda o noticiário" #12 substituiu-a.

Neste resumo você encontrará alguns desses tópicos:

  • No Jornal Nacional, Bolsonaro volta a defender tratamento precoce contra a covid-19 (nota: é ineficaz) e diz que ficar em casa fez as pessoas se contaminarem mais (nota: afirmação falsa);
  • Perguntado sobre aliança com o Centrão, Bolsonaro defende parceria e diz que William Bonner o estimula ‘a ser ditador’, porque precisa dos votos desses congressistas para aprovar projetos;
  • Presidente responsabiliza pandemia, guerra na Ucrânia e crise hídrica por problemas enfrentados na economia e exalta Auxílio Brasil de R$ 600, recente queda da gasolina e PIX

Financie o nosso jornalismo independente. Assim, você nos ajuda no combate à desinformação e ganha uma experiência ainda melhor com o Sabiá.

  • Clique aqui para acessar a Agenda da Semana, onde você encontrará os principais eventos políticos e econômicos esperados para hoje e para os próximos dias.

Agora, pegue o seu café e vamos à curadoria das notícias essenciais:

Saiba como foi a entrevista de Bolsonaro no Jornal Nacional

O presidente Jair Bolsonaro (PL) participou na noite desta segunda-feira, às 20h30, da série de entrevistas com candidatos à Presidência do Jornal Nacional, da TV Globo. Nessa ocasião, ele voltou a defender que o tratamento precoce contra a covid-19 pudesse ser feito pelos médicos e criticou o lockdown, dizendo que serviu para atrapalhar a economia.

Num outro momento, o presidente afirmou que ficar em casa fez as pessoas se contaminarem mais do se fossem às ruas (informação cientificamente errada). 

Bolsonaro também afirmou durante a entrevista que respeitará o resultado das eleições desde que “limpas e auditáveis”. No entanto, o presidente evitou responder diretamente se respeitaria o resultado das urnas quando o entrevistador William Bonner afirmou que o pleito brasileiro já é limpo e auditável.

Bolsonaro ainda defendeu a sua aliança com o Centrão, grupo de partidos conhecido por não ter coloração ideológica bem definida. Aliás, Bolsonaro definiu esse grupo de partidos como siglas que são de centro e acabam sendo pejorativamente chamadas dessa maneira. Não é isso. Centrão não quer dizer que as siglas sejam, necessariamente, de centro, ao contrário do que o nome sugere.

O ministro e general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) já disse que *se gritar “pega centrão” não sobra um, trocando a palavra “centrão” por “ladrão”. Bolsonaro também foi eleito dizendo que não se juntava com esse grupo de partidos.

Agora, no entanto, ele com esses políticos e na saída de sua residência oficial, o Palácio da Alvorada, afirmou certa vez que ele, historicamente, sempre foi filiado a essas siglas. “Sempre fui do Centrão”, disse daquela vez.

Ao ser perguntado por Bonner sobre essa aliança com o Centrão, Bolsonaro afirmou que o entrevistador estava estimulando-o “a ser ditador”. Isso porque, segundo Bolsonaro, não é possível governar e aprovar medidas no Congresso sem esse grupo de partidos, responsável por cerca de 300 votos dos 513 da Câmara.

Nas suas considerações finais, Bolsonaro falou sobre:

  • a ampliação do Auxílio Brasil para R$ 600;
  • a queda do valor médio da gasolina no último mês;
  • a criação do PIX; e outras medidas do governo.

O presidente mencionou a pandemia, a guerra na Ucrânia e a crise hídrica (a maior dos últimos 91 anos) como problemas que seu governo enfrentou. 

Mercado volta a revisar para baixo a expectativa de inflação em 2022

Mudando de assunto, o mercado financeiro revisou para baixo a expectativa de inflação até o fim do ano pela 8ª vez consecutiva, agora de 7,02% para 6,82%.

A maior novidade, no entanto, foi que o mercado interrompeu uma sequência de 18 altas seguidas na expectativa de inflação para o ano que vem. A previsão até a semana passada era de uma alta geral dos preços de 5,38% ao final de 2023. Agora, é de 5,33%.

O Ibovespa fechou em queda de 0,89% no pregão desta segunda-feira (22), aos 110.500 pontos. Por outro lado, a queda do Ibovespa foi bem menor do que aquelas observadas nas principais Bolsas dos Estados Unidos: Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq recuaram, respectivamente, 1,90%, 2,13% e 2,55%. Já o dólar fechou estável em relação ao real, cotado a R$ 5,16.

Vale sempre lembrar que você pode e deve seguir o Correio Sabiá, @correiosabia, em todas as redes sociais: combatemos a desinformação, porque achamos que uma sociedade bem informada toma decisões melhores.

Este resumo foi enviado por volta das 7h para quem financia o Correio Sabiá. O financiamento é voluntário e MUITO importante para continuarmos fazendo nosso trabalho. Em seguida, por volta das 8h, foi enviado gratuitamente para mais de 3,5 mil leitores do Correio Sabiá no WhatsApp, como forma de distribuir conteúdo confiável nas redes e combater a desinformação. Clique aqui para receber.

leia mais