#811: Senado aprova 'PEC das Bondades', que amplia auxílios

#811: Senado aprova 'PEC das Bondades', que amplia auxílios

Curadoria #811 do Sabiá: Senado aprova ‘PEC das Bondades’, que define estado de emergência

Texto prevê a criação ou ampliação de uma série de benefícios, com financiamento fora do teto de gastos
Sabiá: Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária semipresencial.  Na ordem do dia, a Proposta de Emenda à Constituição n° 1, de 2022 (PEC 1/2022), que prevê auxílio diesel a caminhoneiros autônomos e medidas para atenuar o impacto do aumento do preço dos combustíveis sobre a população, como aumento do valor do vale-gás e o Auxílio Brasil.  Painel eletrônico exibe resultado de votação: Senado aprova a proposta de emenda à Constituição que institui estado de emergência até o final do ano para ampliar o pagamento de benefícios sociais (PEC 1/2022). O texto vai para a votação em segundo turno.  Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado
Apenas o senador José Serra (PSDB-SP) votou contra a PEC 1/2022Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Neste resumo você encontrará alguns desses tópicos:

  • Senado aprova PEC do estado de emergência, que define uma série de ‘bondades’ em benefícios sociais, fora do teto de gastos, a 3 meses da eleição; texto segue para a Câmara; apenas José Serra votou contra;
  • Desemprego cai ao menor nível para o trimestre móvel de março a maio desde 2015 e fica em 9,8%; em junho, Banco Central admite que vai estourar teto da meta de inflação;
  • Após demissão por acusações de assédio sexual, Pedro Guimarães agora tem áudios vazados nos quais xinga e ofende funcionários em reuniões

Financie o nosso jornalismo independente. Assim, você nos ajuda no combate à desinformação e ganha uma experiência ainda melhor com o Sabiá.

  • Clique aqui para acessar a Agenda da Semana, onde você encontrará os principais eventos políticos e econômicos esperados para hoje e para os próximos dias.

Agora, pegue o seu café e vamos à curadoria das notícias essenciais:

Senado aprova PEC que define estado de emergência

O Senado aprovou nesta quinta-feira (30) a PEC (proposta de emenda à Constituição) 1/2022, que substituiu a PEC 16/2022 e definiu estado de emergência para estabelecer a concessão de uma série de benefícios sociais faltando poucos meses para a eleição.

O texto foi aprovado em 2 turnos no Senado e teve o aval de todos os senadores presentes, exceto 1, José Serra (PSDB-SP). Ele disse que “os efeitos econômicos da perda de credibilidade fiscal podem solapar os ganhos pretendidos”. De acordo com Serra, “inflação e juros empobrecem o país que trata a Constituição como se fosse um documento qualquer”.

Dessa forma, apesar de ser uma medida emplacada pelo governo federal, de total interesse do presidente Jair Bolsonaro (PL), todo mundo ficou a favor, incluindo a oposição.

A PEC ainda vai ser analisada na Câmara. O texto prevê, fora do teto de gastos, R$ 41,25 bilhões até o fim do ano para uma série de benefícios. Eis a lista de benefícios:

  • expansão do Auxílio Brasil;
  • expansão do Auxílio Gás; 
  • criação de auxílios aos caminhoneiros e taxistas; 
  • financiamento da gratuidade de transporte coletivo para idosos; 
  • compensação aos estados que concederem créditos tributários para o etanol para aumentar a competitividade desse item em relação à gasolina; 
  • reforço ao programa Alimenta Brasil.

Basicamente, a decretação de estado de emergência é uma manobra para driblar a Lei das Eleições (9.504/1997), que proíbe a administração pública de conceder novos benefícios no ano eleitoral. *(O PDF de Políticas Editoriais do Correio Sabiá disponível em nossa seção Quem Somos determina que, sempre que possível, seja linkada a lei em questão).

senador Jean Paul Prates (PT-RN);  presidente do Senado Federal, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG);  secretário-geral-adjunto da Mesa do Senado Federal, Ivan Furlan Falconi.     Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado
O senador Jean Paul Prates (PT-RN) e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), junto ao secretário-geral-adjunto da Mesa do Senado Federal, Ivan Furlan Falconi, durante sessão de aprovação da PEC 1/2022 / Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Saiba os benefícios liberados pela PEC do estado de emergência

Agora que você já sabe quais foram os benefícios definidos na PEC, vamos aos valores e ao detalhamento de cada um deles, de acordo com informações da Agência da Senado: 

Auxílio Brasil: R$ 26 bilhões

  • Acréscimo de R$ 200 no benefício mensal (de R$ 400 para R$ 600)
  • Meta: incluir todas as famílias elegíveis (fila “zerada”), que seriam em torno de 1,6 milhão. Atualmente, segundo o governo federal, há cerca de 18,1 milhões de famílias no programa
  • Parte do valor poderá ser usado para operacionalização do benefício
  • Será vedado o uso do dinheiro em publicidade institucional do governo 

Auxílio Gás dos Brasileiros (vale-gás de cozinha): R$ 1,05 bilhão

  • Parcela extra bimestral no valor de 50% do valor médio do botijão de 13 kg. Ou seja, o valor do Auxílio Gás vai dobrar. Hoje o benefício gira em torno de R$ 60, porque o preço médio do botijão fica em torno de R$ 120. Com uma parcela extra de 50% do valor total do botijão, vai praticamente ser dado à população um botijão.
  • Parte do valor poderá ser usado para operacionalização do benefício
  • Será vedado o uso em publicidade institucional

Auxílio para caminhoneiros: R$ 5,4 bilhões

  • Voucher de R$ 1 mil mensais para cadastrados no Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas (RNTRC)
  • Será concedido para transportadores autônomos, independente do número de veículos que possuírem
  • Não será preciso comprovar a compra de óleo diesel no período de recebimento

Auxílio para taxistas: R$ 2 bilhões

  • Benefício para profissionais cadastrados como motoristas de táxi
  • Serão contemplados aqueles cadastrados até 31 de maio de 2022, mediante apresentação do documento de permissão
  • A formação do cadastro e a forma de pagamento ainda serão regulamentadas

Gratuidade para idosos: R$ 2,5 bilhões

  • Transferência para estados e municípios para custear a gratuidade no transporte público para cidadãos acima de 65 anos
  • O valor será distribuído na proporção da população idosa de cada estado e município
  • 40% do valor será repassado para serviços intermunicipais e interestaduais
  • Somente destinado para estados e municípios com sistema de transporte coletivo urbano em funcionamento

Créditos para etanol: R$ 3,8 bilhões

  • Auxílio para estados que outorgarem créditos tributários do ICMS para produtores e distribuidores de etanol hidratado
  • Pagamento em parcelas mensais
  • Distribuído na proporção da participação de cada estado no consumo de etanol hidratado no ano de 2021
  • Estados renunciarão ao direito de pedir indenização por perda de arrecadação decorrente dos créditos outorgados
  • Valor será livre de vinculações, mas deverá ser repartido com os municípios e entrará no cálculo de receita para efeito de investimento mínimo em educação
  • Objetivo é reduzir a carga tributária do etanol para manter diferencial competitivo em relação à gasolina
  • Estados ficam autorizados a “zerar” a tributação sobre a gasolina, desde que façam o mesmo para o etanol

Alimenta Brasil: R$ 500 milhões

  • Reforço orçamentário para o programa, que promove compra de alimentos de pequenos produtores e sua destinação para famílias em situação de insegurança alimentar

Desemprego cai para 9,8% no trimestre de março a maio

No trimestre móvel de março a maio de 2022, o desemprego no Brasil ficou em 9,8%, o menor patamar para esse trimestre desde 2015 (8,3%). Também houve queda expressiva de 1,4 ponto percentual em relação ao trimestre anterior, de dezembro de 2021 a fevereiro de 2022.

Os dados do desemprego medidos pela Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio) Contínua, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), e foram divulgados nesta quinta-feira (30).

Na prática, 10,6 milhões de brasileiros estavam procurando emprego, sem encontrar, até o fim de maio. É uma quantidade 11,5% menor do que os 12 milhões de brasileiros que procuravam emprego no trimestre anterior.

O problema: o rendimento médio habitual da população brasileira caiu consideravelmente. Em relação ao último trimestre não mudou. Mas em relação ao mesmo trimestre de 1 ano atrás, a queda é de 7,2%.

Banco Central admite que não vai cumprir meta de inflação

É um fato que a inflação, que está em 11,73% no período acumulado dos últimos 12 meses, tem corroído o poder de compra do brasileiro. E o Banco Central divulgou nesta quinta-feira (30) justamente o Relatório Trimestral de Inflação, no qual a instituição admite desde já que não vai conseguir cumprir nem o teto da meta estabelecido para a alta dos preços neste ano.

O negócio é o seguinte: o Banco Central tem a missão de perseguir a meta de inflação e de deixá-la sob controle. Por isso que faz os sucessivos ajustes na taxa básica de juros, a Selic. E o centro da meta da inflação para este ano era de 3,5%, que já não foi cumprido.

No entanto, há também um intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima e para baixo. Portanto, o limite aceitável da inflação é de 5%. Mas estamos em junho, e a inflação deste ano, que só foi aferida até maio, é de 4,78%. 

Vaza áudio de ex-presidente da Caixa xingando funcionários em reuniões

Falando em banco, faz só 2 dias que o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, foi demitido por acusações de assédio sexual, mas, agora, a última notícia é que vazaram áudios do ex-presidente do banco estatal fazendo xingamentos e ofendendo funcionários durante reuniões.

Vale sempre lembrar que você pode e deve seguir o Correio Sabiá, @correiosabia, em todas as redes sociais: combatemos a desinformação, porque achamos que uma sociedade bem informada toma decisões melhores.

Este resumo foi enviado por volta das 7h para quem financia o Correio Sabiá. O financiamento é voluntário e MUITO importante para continuarmos fazendo nosso trabalho. Em seguida, por volta das 8h, foi enviado gratuitamente para mais de 3,5 mil leitores do Correio Sabiá no WhatsApp, como forma de distribuir conteúdo confiável nas redes e combater a desinformação. Clique aqui para receber.

leia mais