Resumo de notícias #756 do Sabiá (8.abr)

Resumo de notícias #756 do Sabiá (8.abr)

Resumo de notícias #756 do Sabiá (8.abr) – Comece o dia voando

Aliados querem Lula falando “menos e melhor” após declarações sobre demitir militares e a favor do aborto
Dia de muitas reuniões em Brasília com lideranças do PSDB de diversos estados do Brasil para ampliação da nossa pré-campanha. Sempre ótimo contar com o apoio e ideias dos deputados federais Adolfo Viana, Beto Pereira e Nilson Pinto e do senador Izalci Lucas / Foto: Reprodução/Twitter
Doria faz reunião em Brasília com lideranças do PSDB de diversos estados para ampliar a pré-campanha: “Sempre ótimo contar com o apoio e ideias dos deputados federais Adolfo Viana, Beto Pereira e Nilson Pinto e do senador Izalci Lucas”, escreveu nas redes sociais / Foto: Reprodução/Twitter

Neste resumo você encontrará alguns desses tópicos:

  • Depois de declarações sobre liberar aborto, pressionar congressistas na porta de casa e demitir 8 mil militares, aliados de Lula defendem que ex-presidente fale ‘menos’ e ‘melhor’; petista diz que, pessoalmente, é contra o aborto;
  • Doria intensifica agenda de reuniões para tentar se viabilizar como opção da 3ª via, que terá candidatura única anunciada em maio;
  • Reportagem do New York Times mostra como fortuna de Putin se confunde com patrimônio russo, dificultando bloqueios e sanções; civis ucranianos deixam o leste do país, enquanto tropas da Rússia preparam novos ataques

Este resumo foi enviado por volta das 7h para mais de 3,5 mil leitores do Correio Sabiá no WhatsApp. Clique aqui para receber.

Clique aqui para acessar a notícia da Agenda da Semana, onde você encontrará os principais eventos políticos e econômicos esperados para os próximos dias.

Clique aqui para se INSCREVER no Sabiá no Ar, o podcast diário do Correio Sabiá no Spotify.

Financie o nosso jornalismo independente. Precisamos de você para continuar produzindo um material de qualidade.

Para ficar de olho hoje:

  • Live. O presidente Jair Bolsonaro (PL) faz sua tradicional transmissão ao vivo nas redes sociais.
  • Senado. Esforço concentrado para votação de autoridades, sendo nesta quinta a sabatina de 11 diplomatas, a partir das 9h.
  • Senado. O presidente do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), Marcelo Lopes da Ponte, participa de audiência pública no Senado em meio a reportagens do Estadão noticiarem uma suposta licitação que permitiria superfaturamento na compra de 3.850 ônibus escolares.

Agora, pegue seu café e vamos ao resumo de notícias:

Lula. Falamos aqui sobre uma declaração do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com a qual ele sugeria que a sua militância mapeasse a casa de congressistas para pressioná-los indo até as residências.

Mais. Essa não foi a única declaração polêmica de Lula nos últimos dias. O pré-candidato do PT também disse que, se eleito, teria que se desfazer de cerca de 8 mil militares que ocupam cargos comissionados atualmente.

Aborto. Outro assunto sensível foi a defesa do aborto como questão de saúde público. O tema é delicado por causa do eleitorado evangélico e do crescimento conservador no país, que é contra a liberação do aborto. Por isso, políticos que são favoráveis a essa pauta normalmente se esquivam do assunto. Até a esquerda criticou Lula por isso.

Menos é mais. Esse conjunto de declarações fez aliados de Lula defenderem que ele fale menos e melhor. Com a sequência de entrevistas que o petista tem dado, declarações como essas estão sendo feitas praticamente de improviso, sem preparo prévio. 

Volta atrás. Aliás, sobre o caso do aborto, Lula ontem voltou a se manifestar e já disse que ele, pessoalmente, é contra. Para tentar sustentar essa afirmação, citou que tem 5 filhos, 8 netos e 1 bisneta. E sobre a fala de cobrar deputados, disse que essas conversas precisam ser “civilizadas”.

Economia. Ainda esta quinta, o ex-presidente defendeu o controle de preços pelo governo para controlar a inflação, prática que, quando adotada no governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) para segurar os preços da energia elétrica, fez os valores posteriormente dispararem.

Veja abaixo a íntegra da entrevista, publicada por Lula nas redes sociais:

Doria. Já o ex-governador de São Paulo, João Doria (PSDB), começou a pré-campanha na tentativa de liderar a alternativa de 3ª via. Dissemos que houve uma reunião na última quarta-feira (6) entre 4 partidos: PSDB, MDB, Cidadania e União Brasil. 

Contexto. Nessa reunião, ficou acordado que as 4 legendas vão lançar uma candidatura de consenso. O União Brasil deve apresentar na semana que vem o seu escolhido para servir de alternativa. Doria já foi lançado pelo PSDB. E a senadora Simone Tebet (MS) é a opção do MDB.

Mais. O ex-governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), foi derrotado nas prévias tucanas por Doria. Mas as notícias mais recentes o colocam como possível vice numa chapa encabeçada por Simone Tebet. 

Memória. Lembrando que Leite estava tentando, inicialmente, articular sua candidatura ao Planalto mesmo derrotado nas prévias do PSDB. Agora, uma eventual articulação para que seja vice de Tebet é outra adversidade que Doria terá de lidar.

Reuniões. Ao intensificar as articulações para tentar liderar a candidatura da 3ª via, Doria se reuniu com o presidente do Cidadania, Roberto Freire, e viajou à noite à Bahia para jantar com lideranças locais. Deveria se encontrar com ACM Neto (União Brasil), pré-candidato ao governo estadual.

Guerra na Ucrânia. Ontem, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, admitiu que a Rússia teve perdas significativas em suas tropas durante o conflito e acrescentou que ”isso é uma grande tragédia” para os russos. Essa é uma declaração que, além de forte, é jornalisticamente importante, porque se trata do porta-voz do governo russo admitindo publicamente algo que, em tese, demonstra certa fraqueza das forças do país.

Mais. Ainda ontem, a Rússia foi suspensa do Conselho de Direitos Humanos da ONU (Organização das Nações Unidas). E o Brasil se absteve de votar, assim como outros 57 países. Enquanto isso, a Ucrânia se apressa para que civis deixem o leste do país, região com separatistas pró-Moscou. E a Rússia se organiza para uma ofensiva no local, que é uma de suas prioridades nas negociações.

Sanções. Por fim, você provavelmente já leu/ouviu sobre as sanções impostas pelos países ocidentais contra os russos. Uma das mais recentes foi a sanção que atinge as filhas do presidente Vladimir Putin. Mas e o próprio Putin? Você já se fez essa pergunta? 

New York Times. Então, uma reportagem do New York Times mostrou por que é tão difícil rastrear os bens e a fortuna de Putin. Logo no início do texto, o repórter faz referência a um processo judicial de 2010 numa corte de Londres. Em 421 páginas, havia uma referência quase em tom de comentário adicional na qual 2 empresários citaram durante uma reunião num restaurante em Genebra “um iate que havia sido dado a Putin de presente”.

Fortuna de Putin. Esse iate, chamado Olympia, era mantido por uma empresa com base no Chipre e seus registros corporativos não eram vinculados a Putin, mas sim ao Estado russo. A reportagem sustenta, com diversos outros exemplos, que, ao que tudo indica, os bens de Putin se confundem com as propriedades do próprio Estado russo.

Milícia. Outra notícia desta semana foi a respeito de um áudio revelado pela Folha de S.Paulo que indicava uma suposta recompensa do Palácio do Planalto, sede do Poder Executivo, pela morte do ex-PM Adriano da Nóbrega, acusado de chefiar a maior milícia do Rio de Janeiro. 

Mais. A gravação era da irmã de Adriano, Daniela da Nóbrega, e foi obtida por meio de escuta da Polícia Civil. O ex-capitão foi morto na Bahia em fevereiro de 2020, e o áudio fala que houve troca de cargos comissionados no Planalto para que houvesse a “queima de arquivo”. Adriano e sua família têm amplo histórico de proximidade com a família Bolsonaro. Houve homenagem de Flávio Bolsonaro a Adriano e até cargo para a ex-mulher do capitão no gabinete de Flávio.

Contradição. Mas a mesma reportagem da Folha que falava na oferta de cargos no Planalto também mostrava que, de acordo com Daniela, a determinação da morte do irmão teria partido do então governador do Rio, Wilson Witzel (PSC).

Financie o nosso jornalismo independente. Precisamos de você para continuar produzindo um material de qualidade.

Campanha de apoio do Correio Sabiá: Vacina contra a desinformação

leia mais