Prévias do PSDB: sigla decide candidato à Presidência em 2022 neste sábado (27)

Prévias do PSDB: sigla decide candidato à Presidência em 2022 neste sábado (27)

Prévias do PSDB: sigla decide candidato à Presidência em 2022 neste sábado (27)

Decisão deveria ter ocorrido no último domingo (21), mas foi adiada após problema no aplicativo de votação
Os governadores Eduardo Leite e João Doria, do Rio Grande do Sul e São Paulo, respectivamente, disputam as prévias do PSDB / Foto: Governo do Estado de São Paulo/Divulgação
Os governadores Eduardo Leite e João Doria, do Rio Grande do Sul e São Paulo, respectivamente, disputam as prévias do PSDB / Foto: Governo do Estado de São Paulo/Divulgação

As prévias do PSDB serão retomadas neste sábado (27) para decidir quem será o candidato do partido à Presidência da República em 2022. Na disputa, estão: o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite; o governador de São Paulo, João Doria; e o ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio. 

As prévias do PSDB começaram no último domingo (21), mas foram adiadas por causa de uma instabilidade no aplicativo de votação dos filiados. A retomada ocorreria até este domingo (28) e, agora, foram anunciadas para este sábado (27).

A previsão é que a votação comece às 8h e acabe às 17h, com o anúncio do vencedor até as 20h.

O Sabiá explica abaixo tudo o que você precisa saber sobre as prévias do PSDB, desde as disputas internas na sigla, que antecederam a ocasião das prévias, até os problemas no aplicativo de votação. Antes, veja um índice do que você encontrará nesta reportagem:

  • Candidatos a disputar a Presidência pelo PSDB
  • Leite esvazia a votação de Doria
  • Quem forma a comissão das prévias do PSDB
  • Quantos eleitores votam nas prévias do PSDB
  • Como é definido o vencedor das prévias do PSDB
  • Comissão das prévias do PSDB definiu grupos de votação
  • Como é calculado o peso de cada voto
  • Como ocorre a votação nas prévias do PSDB
  • Problemas no aplicativo durante as prévias
  • Virgílio chama Aécio de ‘maçã podre’

Candidatos a disputar a Presidência pelo PSDB

Ao todo, 3 políticos disputam a indicação do PSDB para candidatura à Presidência da República em 2022. São eles:

  • o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite; 
  • o governador de São Paulo, João Doria; e 
  • o ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio.

Desses 3, os principais candidatos na disputa são Eduardo Leite e João Doria. Arthur Virgílio corre por fora. Ele quis disputar a Presidência em 2018, mas desistiu de concorrer nas prévias do PSDB com o então governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que foi o candidato tucano derrotado naquela eleição.

Ao desistir de concorrer, o então prefeito de Manaus Arthur Virgílio chamou Alckmin de “cínico” e disse que uma eventual candidatura nas prévias do PSDB contra o governador, que acumulava o cargo de presidente nacional do partido, seria uma “fraude”.

Na eleição, Virgílio declarou apoio a Marina Silva. Depois, no 2º turno, anunciou voto nulo, mas voltou atrás e disse ter escolhido o candidato do PT, Fernando Haddad, contra o então presidenciável Jair Bolsonaro, àquela altura filiado ao PSL. 

Leite esvazia votação de Doria

Em outubro, aliados de Eduardo Leite denunciaram à direção nacional do PSDB que havia filiações irregulares no diretório estadual do partido em São Paulo. Uma delas foi do prefeito de Guarujá, Válter Suman, que era vice-presidente do diretório estadual do PSB e foi preso pela PF (Polícia Federal) em setembro. 

Em resumo, aliados de Leite diziam que havia fraudes na data de filiação no diretório paulista, e a direção nacional do partido excluiu, no dia 2 de novembro, 92 filiados, entre prefeitos e vice-prefeitos, das prévias do PSDB. Foi uma derrota para João Doria. 

Para poder participar e votar nas prévias do PSDB, era necessário ter se filiado ao partido até pelo menos o dia 31 de maio deste ano. Segundo aliados de Leite, apoiadores de Doria se filiaram à sigla após essa ocasião, mas fraudaram a data.

Um dia depois (03.nov), a mesma comissão das prévias do PSDB excluiu outros 34 filiados do partido pelo mesmo motivo. Eram pessoas sem mandato, que se filiaram com data retroativa pelos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e da Bahia –aliados de Leite. Foi o troco de Doria.

Prévias do PSDB: o presidente do partido, Bruno Araújo, fala no microfone enquanto os candidatos a disputar a Presidência, Arthur Virgílio, João Doria e Eduardo Leite, permanecem no palco / Foto: Reprodução/Twitter
Prévias do PSDB: o presidente do partido, Bruno Araújo, fala no microfone enquanto os candidatos a disputar a Presidência, Arthur Virgílio, João Doria e Eduardo Leite, permanecem no palco / Foto: Reprodução/Twitter

Quem forma a comissão das prévias do PSDB

Veja abaixo quais são os integrantes da comissão das prévias do PSDB:

  • prefeita de Palmas (TO), Cinthia Ribeiro; 
  • presidente do PSDB-SP, Marco Vinholi;
  • senador Izalci Lucas (DF);
  • deputado federal Pedro Vilela (AL);
  • deputado federal Lucas Redecker (RS);
  • ex-deputado federal Marcus Pestana (MG). 

Todos atuam sob a coordenação do senador José Aníbal (SP), ex-presidente nacional do PSDB.

Quantos eleitores votam nas prévias do PSDB

Nas prévias do PSDB, têm direito a voto 44.697 pessoas, entre filiados e mandatários, sendo que os filiados sem mandato e vereadores votam remotamente, pelo aplicativo. 

Já governadores, prefeitos, congressistas e dirigentes votam presencialmente, em Brasília. Todos os 3 candidatos nas prévias já votaram.

Para votar, tem que obedecer à regra de ter se filiado ao partido até o dia 31 de maio.

Como é definido o vencedor nas prévias do PSDB

O vencedor das prévias do PSDB será aquele candidato que tiver a maioria absoluta dos votos válidos. No entanto, a votação tem votos com pesos diferentes, de acordo com os 4 grupos definidos pela comissão das prévias. 

Se nenhum dos candidatos tiver a maioria absoluta dos votos válidos haverá 2º turno, sob a mesma regra de proporcionalidade.

Comissão das prévias do PSDB definiu grupos de votação

Os votos nas prévias do PSDB não valem por 1. Eles têm pesos diferentes, de acordo com o grupo de cada eleitor. A comissão das prévias do PSDB dividiu os votantes em 4 grupos. 

Veja abaixo quem pertence a cada grupo e a quantidade de integrantes em cada um deles:

  • Filiados sem mandato (grupo 1): 39.737 integrantes;
  • Prefeitos e vice-prefeitos (grupo 2): 491 prefeitos e 396 vice-prefeitos;
  • Vereadores e deputados estaduais ou distritais (grupo 3): 3.949 vereadores e 72 deputados;
  • Deputados federais, senadores, governadores, vice-governadores, ex-presidentes e o atual presidente da Comissão Nacional Executiva (grupo 4): participam apenas 52 integrantes, entre eles os governadores Doria e Leite.

O ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, também pertence ao grupo 4, por exemplo.

Como é calculado o peso de cada voto

Cada um dos 4 grupos corresponde ao peso 25% do total de votos.

Nos grupos 1, 2 e 4, os votos em cada candidato são divididos pelo número total de eleitores do grupo. Votos do grupo 4 valem mais por ser um grupo com menos participantes. Após a divisão, o resultado é multiplicado por 0,25.

O grupo 3 é diferente. Nele, deputados representam 50% do peso total e vereadores, os outros 50%. Além disso, os votos em cada candidato são divididos pelo número total de eleitores de cada subgrupo (vereadores e deputados). 

Depois, o resultado é multiplicado por 0,125 e, por fim, ocorre a soma do resultado de cada subgrupo.

Como ocorre a votação nas prévias do PSDB

Há duas formas de votos: remota ou presencial. No caso dos filiados sem mandato e dos vereadores, a única opção é remota, pelo aplicativo. 

Já os outros integrantes do PSDB com direito a voto podem escolher entre votar pelo aplicativo ou presencialmente, por uma urna eletrônica instalada em Brasília, num centro de convenções alugado pelo partido.  

Problemas no aplicativo durante as prévias

Ao todo, só cerca de 3,5 mil eleitores votaram nas prévias do PSDB. O aplicativo que falhou custou cerca de R$ 1,6 milhão, pago com o fundo partidário. 

Desse valor total (R$ 1,6 milhão), o montante de R$ 1,3 milhão é da desenvolvedora –a Faurgs (Fundação de Apoio da Universidade do Rio Grande do Sul). 

O restante, R$ 300 mil, são da Kryptos (R$ 200 mil) e da Fusp (Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo), que ficou com R$ 100 mil. Estas foram as duas consultorias técnicas contratadas.

Após as falhas, uma nova empresa, a BeeVoter, foi contratada para auxiliar no pleito do partido.

Virgílio chama Aécio de ‘maçã podre’ 

O que ocorreu depois do adiamento da eleição partidária: Eduardo Leite disse que as prévias do PSDB estavam “perdendo a legitimidade”. 

Em nota, a campanha de Eduardo Leite disse que aguardava esclarecimentos e que o governador do Rio Grande do Sul foi o único candidato que ficou presencialmente em busca de respostas para a falha no aplicativo.

Leite também contrariou manifestação do partido de que o pleito deveria ser finalizado até domingo. O governador do Rio Grande do Sul pressionou para que a eleição fosse finalizada dentro de 48 horas.

Já os adversários, Doria e Virgílio, defenderam o adiamento da eleição para este domingo (28).

Doria, no caso, disse levantou suspeitas sobre a empresa responsável pelo desenvolvimento do aplicativo, que é do Rio Grande do Sul. 

O governador de São Paulo disse que a sede da Faurgs seria em Pelotas, onde Leite foi vereador e prefeito. Não procede. A fundação fica em Porto Alegre.

Além disso, o PSDB disse que só a Faurgs topou desenvolver o aplicativo num prazo apertado de 90 dias, embora tenha consultado, inclusive, a USP.

Já Virgílio chamou o deputado federal Aécio Neves (MG) de “maçã podre” do partido e disse que o ex-presidenciável estava “estragando as outras”.

Aécio respondeu que, da próxima vez que encontrasse Virgílio, teriam uma “conversa no pomar”, pois o candidato seria “laranja do Doria”.

leia mais