#817: Bolsonarista mata petista a tiros

#817: Bolsonarista mata petista a tiros

Curadoria #817 do Sabiá: Bolsonarista invade festa de aniversário de petista e o mata a tiros

Congresso se prepara para votar Lei de Diretrizes Orçamentárias e PEC das Bondades nesta semana
Correio Sabiá: Bolsonarista está internado sob custódia da Polícia Militar do Paraná / Foto: iStrfry, Marcus/Unsplash
Correio Sabiá: Bolsonarista está internado sob custódia da Polícia Militar do Paraná / Foto: iStrfry, Marcus/Unsplash

Neste resumo você encontrará alguns desses tópicos:

  • Tesoureiro do PT em Foz do Iguaçu é morto a tiros na própria festa de aniversário de 50 anos, com temática do PT; bolsonarista que invadiu o evento está hospitalizado;
  • Congresso já pode votar Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2023, com salário mínimo de R$ 1.294, nesta segunda-feira (11); Votação da PEC das Bondades deve ocorrer nesta terça (12) na Câmara;
  • Inflação de junho fica em 0,67%; Amazônia registra recorde de desmatamento no 1º semestre de 2022

Financie o nosso jornalismo independente. Assim, você nos ajuda no combate à desinformação e ganha uma experiência ainda melhor com o Sabiá.

  • Clique aqui para acessar a Agenda da Semana, onde você encontrará os principais eventos políticos e econômicos esperados para hoje e para os próximos dias.

Agora, pegue o seu café e vamos à curadoria das notícias essenciais:

Bolsonarista mata petista a tiros

O tesoureiro do PT em Foz o Iguaçu (PR), Marcelo Aloizio de Arruda, de 50 anos, foi morto a tiros por um apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL) na própria festa de aniversário, no sábado (9). Ele era guarda municipal, e o evento tinha a temática do PT.

Arruda vestia uma camisa com o rosto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que é pré-candidato à Presidência. 

Imagens das câmeras do local mostram que o policial penal federal Jorge José da Rocha Guaranho, depois de discutir com Marcelo, retorna ao local armado e atirando. Isso ainda do lado de fora do evento. 

Em seguida, Guaranho invade a festa.

As imagens também mostram o aniversariante, Marcelo Arruda, se apressando no interior do evento para buscar um refúgio. 

Nessas mesmas imagens, ele fica no chão, deitado debaixo de uma mesa, tentando se defender dos tiros. 

O petista também atira com uma arma de fogo, no chão, contra o bolsonarista.

O desfecho dessa história: o aniversariante, Marcelo, morreu.  Já o bolsonarista que invadiu o aniversário, Jorge, está vivo e seu quadro de saúde é estável. Ele está hospitalizado sob custódia da Polícia Militar do Paraná. 

Inicialmente, a Polícia Civil do Paraná informou, incorretamente, que os 2 tinham morrido. Isso não é verdade.

Depois da informação errada da Polícia Civil, uma série de políticos e autoridades se manifestaram lamentando, também incorretamente, as mortes. Repetindo: foi uma morte.

O ex-presidente Lula, por exemplo, prestou solidariedade à família de Marcelo, assim como também lamentou a suposta morte de Jorge.  

O presidente Jair Bolsonaro (PL) publicou na sua conta no Twitter que dispensa “qualquer tipo de apoio de quem pratica violência contra opositores”. 

Câmara deve votar PEC das Bondades nesta terça (12)

A Câmara deve votar nesta terça-feira (12) a PEC das Bondades, que prevê a ampliação de alguns benefícios já existentes, como o Auxílio Brasil e o Auxílio Gás, além da concessão de novos benefícios, como o voucher caminhoneiro e um auxílio para taxistas.

O texto estava pautado para votação em plenário da Câmara na última quinta-feira (7.jul), mas o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), afirmou naquela ocasião que não ia “arriscar” votá-lo por causa do baixo quórum. Havia 427 deputados com presença registrada, de um total de 513.

Lembrando que uma PEC precisa ser aprovada em 2 turnos por pelo menos 3/5 dos congressistas, tanto na Câmara quanto no Senado.

A aprovação no Senado já ocorreu. Agora, falta a aprovação na Câmara para que, depois, a matéria seja promulgada pelo Congresso e já comece a valer.

Para que você relembre: a PEC das Bondades institui um estado de emergência para driblar a legislação eleitoral e poder liberar R$ 41,25 bilhões fora do teto de gastos, dinheiro que será usado na ampliação de benefícios existentes, como o Auxílio Brasil e o Auxílio Gás, ou na criação de benefícios novos, como o voucher caminhoneiro e o auxílio aos taxistas.

Em termos técnicos, a “PEC das Bondades” é a PEC nº 1/2022. O texto substituiu a PEC 16/2022 e definiu a instituição de um “estado de emergência” para estabelecer a concessão de uma série de benefícios sociais a poucos meses para a eleição.

Além disso, a PEC 1/2022 foi anexada à PEC 15/2022, que cria estímulos tributários aos biocombustíveis. Assim, foi possível acelerar a tramitação da proposta e evitar, por exemplo, que a PEC 1 ficasse travada sob análise na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). Isso poderia durar semanas

Basicamente, a decretação de estado de emergência é uma manobra para driblar a Lei das Eleições (9.504/1997), que proíbe a administração pública de conceder novos benefícios no ano eleitoral. *(O PDF de Políticas Editoriais do Correio Sabiá disponível em nossa seção Quem Somos determina que, sempre que possível, seja linkada a lei em questão).

Para dar celeridade à proposta, o relator do texto na Câmara, deputado Danilo Forte (União Brasil-CE), desistiu de fazer mudanças na PEC. Se levasse adiante a ideia de alterar a proposta, os senadores teriam que fazer uma nova análise e votação.

Eis a lista de benefícios que devem ser instituídos, a um custo total de R$ 41,25 bilhões até o fim deste ano:

  • expansão do Auxílio Brasil;
  • expansão do Auxílio Gás; 
  • criação de auxílios aos caminhoneiros e taxistas; 
  • financiamento da gratuidade de transporte coletivo para idosos; 
  • compensação aos estados que concederem créditos tributários para o etanol para aumentar a competitividade desse item em relação à gasolina; 
  • reforço ao programa Alimenta Brasil.
Câmara já pode votar nesta quinta-feira (7) a PEC das Bondades / Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
Câmara adiou votação da PEC das Bondades / Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Congresso deve votar LDO nesta segunda (11)

Aliás, deve ocorrer nesta segunda-feira (11) uma sessão conjunta do Congresso Nacional para votar a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2023.

Existe uma certa pressa para votar e aprovar o Orçamento do ano que vem, porque os congressistas só podem entrar de recesso parlamentar, previsto para o dia 17, se aprovarem essa matéria. 

A proposta estima que o salário mínimo de 2023 será de R$ 1.294.

Um dos pontos de maior polêmica é sobre as chamadas “emendas de relator”, que têm sido chamadas de “orçamento secreto”, cujo valor previsto para o próximo ano é de R$ 16,5 bilhões. 

O problema dessas emendas é que elas não têm as mesmas regras de transparência das outras emendas parlamentares e permitem que aliados dos presidentes da Câmara e do Senado consigam valores maiores.

Inflação em junho: 0,67%, diz IBGE

A inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) foi de 0,67% em junho, o que representou uma aceleração em relação ao mês anterior, maio, que teve variação de 0,47%. 

Desta vez, a alta foi influenciada principalmente pelo aumento de 0,80% no grupo de alimentação e bebidas, que tem grande peso no índice geral. No ano, a inflação acumulada já estourou o limite da meta estabelecida pelo Banco Central. 

O acumulado da inflação em 2022 já é de 5,49% e, nos últimos 12 meses, de 11,89%. 

Vale sempre lembrar que você pode e deve seguir o Correio Sabiá, @correiosabia, em todas as redes sociais: combatemos a desinformação, porque achamos que uma sociedade bem informada toma decisões melhores.

Este resumo foi enviado por volta das 7h para quem financia o Correio Sabiá. O financiamento é voluntário e MUITO importante para continuarmos fazendo nosso trabalho. Em seguida, por volta das 8h, foi enviado gratuitamente para mais de 3,5 mil leitores do Correio Sabiá no WhatsApp, como forma de distribuir conteúdo confiável nas redes e combater a desinformação. Clique aqui para receber.

leia mais