#803: Presidente da Petrobras pede demissão

#803: Presidente da Petrobras pede demissão

Curadoria de notícias #803 do Sabiá (21.jun): Presidente da Petrobras pede demissão

Lira fala em instalação de CPI da petroleira e defende mudança na Lei das Estatais por meio de uma MP
Comissão de Meio Ambiente (CMA) realiza audiência pública interativa para instruir o PLS 454/2017, que pretende a vedação a comercialização e a circulação de automóveis movidos a combustíveis fósseis a partir de 2060. À mesa, diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis, José Mauro Ferreira Coelho / Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
José Mauro Ferreira Coelho durante audiência no Senado, em 2019, quando ainda era diretor da Petrobras / Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Neste resumo você encontrará alguns desses tópicos:

  • Presidente da Petrobras pede demissão após pressões políticas do governo; diretor de Exploração e Produção assume interinamente;
  • Lira fala em instalação de CPI da Petrobras, defende maior participação do governo sobre combustíveis e mudança na Lei das Estatais via MP;
  • Taxação dos lucros da Petrobras deve servir para custear espécie de ‘bolsa caminhoneiro’; nova reunião entre Lira e líderes é esperada para a manhã de hoje

Financie o nosso jornalismo independente. Assim, você nos ajuda no combate à desinformação e ganha uma experiência ainda melhor com o Sabiá.

  • Clique aqui para acessar a Agenda da Semana, onde você encontrará os principais eventos políticos e econômicos esperados para hoje e para os próximos dias.

Agora, pegue o seu café e vamos à curadoria das notícias essenciais:

Presidente da Petrobras pede demissão

O presidente da Petrobras, José Mauro Coelho, pediu demissão do cargo em meio às fortes pressões políticas que estava sofrendo desde que assumiu. Agora, quem fica no comando da Petrobras interinamente é Fernando Borges, diretor executivo de Exploração e Produção da estatal. 

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), declarou nesta segunda-feira (20) que não há o que comemorar, quando falou sobre a troca na Petrobras. Lira foi um dos que mais pressionaram o presidente da empresa, chegando a dizer que ele era “ilegítimo”. 

Na noite desta segunda, houve uma reunião entre Lira e alguns líderes, na qual o presidente da Câmara tratou sobre a taxação do lucro da Petrobras e a política de preços da estatal, atualmente baseada na cotação do barril do petróleo no mercado internacional. 

Com a taxação, Lira espera reverter parte dos recursos para a criação, por exemplo, de uma espécie de “voucher combustível” para caminhoneiros e taxistas.

O governo ainda defende a instalação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Petrobras para investigar os lucros da estatal.

Lira também defendeu que seja feita, via MP (medida provisória) uma mudança na Lei das Estatais, além de falar que o governo federal deve se envolver diretamente nas discussões sobre combustíveis. 

Como se sabe, uma MP tem efeito imediato a partir do momento de sua publicação. Já PLs (projetos de lei) e PECs (propostas de emenda à Constituição) têm tramitações mais demoradas.

No podcast do Correio Sabiá desta terça-feira (21), usamos áudios com declarações de Arthur Lira. As gravações são de um pronunciamento do presidente da Câmara, no qual ele detalha o que pensa sobre a Petrobras.

Por fim, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) abriu um processo para apurar a divulgação da saída de José Mauro Coelho da presidência da Petrobras. 

Este resumo foi enviado por volta das 7h para quem financia o Correio Sabiá. O financiamento é voluntário e MUITO importante para continuarmos fazendo nosso trabalho. Em seguida, por volta das 8h, foi enviado gratuitamente para mais de 3,5 mil leitores do Correio Sabiá no WhatsApp, como forma de distribuir conteúdo confiável nas redes e combater a desinformação. Clique aqui para receber.

Posto de gasolina da Petrobras / Foto: Divulgação
Aumenta a pressão por revisão da política de preços da Petrobras / Foto: Divulgação

Ações da Petrobras fecham em alta

As ações da Petrobras chegaram a cair quase 5% durante o o pregão desta segunda-feira (20), mas fecharam em alta, com os papéis ordinários subindo 0,87% e os preferenciais, 1,14%. Já o Ibovespa fechou próximo da estabilidade, numa alta de apenas 0,03%, aos 99.852 pontos.

Já o dólar fechou novamente em alta, desta vez de 0,85%, sendo negociado a R$ 5,18, o maior valor de fechamento da moeda norte-americana em relação ao real desde 14 de fevereiro.

Vale sempre lembrar que você pode e deve seguir o Correio Sabiá, @correiosabia, em todas as redes sociais: combatemos a desinformação, porque achamos que uma sociedade bem informada toma decisões melhores.

Financie o nosso jornalismo independente. Precisamos de você para continuar produzindo um material de qualidade.

leia mais